quarta-feira, 24 de março de 2010

Corrupção no Distrito Federal e a Copa de 2014

Talvez a sociedade do Distrito Federal ainda não tenha se dado conta das inúmeras perdas sofridas com o escândalo do "mensalão do DEM”, que culminou no ano em que a capital completa o seu cinquentenário.

No âmbito esportivo a Copa do Mundo no Brasil, em 2014, que desde agora promove repercussões nas atividades econômicas, estruturais, culturais, turísticas, sociais, enfim, em quase todas as áreas, pois o esporte, principalmente o futebol, influencia a dinâmica de nosso país.

Brasília será uma das cidades-sede. Para obter esse direito, apresentou “proposta” e até pleitea realizar a partida de abertura do evento. O termo empregado é “proposta”, pois não há clareza, no “projeto” do DF, o que gera a expectativa de o governo federal mais uma vez assumir grande parte das responsabilidades de um megaevento esportivo, tal como ocorreu nos Jogos Pan-americanos de 2007, no Rio de Janeiro.

No momento em que o governo distrital, o governo federal e a iniciativa privada deveriam estar somando esforços no planejamento e desencadeamento de atividades vitais para o cumprimento das complexas metas estabelecidas pela FIFA (Federação Internacional de Futebol Associado, órgão máximo do futebol, no mundo), não se percebe o engajamento que seria esperado. Chegou-se ao ponto em que pessoas do mais alto escalão desse projeto foram denunciadas no escândalo.

Assumir o compromisso de ser uma cidade-sede de Copa do Mundo exige do governante construção e apresentação de um “projeto de Estado”, com o engajamento de toda a sociedade, e não apenas a exibição pública de uma “proposta de governo” desconectada dos anseios e desconhecida pela comunidade. Esta última opção foi a escolhida pelo governo do Distrito Federal.

Além disso, o modelo de gestão definido exige resposta a inúmeros questionamentos. Dentre eles podem ser destacados: Quem coordena o projeto de Brasília para 2014? A equipe é composta por profissionais qualificados, que possuem independência e competência para gerirem tão relevante e vultosa empreitada? Esses profissionais estão isentos do gigantesco escândalo de corrupção que assola o DF? Um atraso nesse processo – provenientes em grande parte, da situação que se encontra o governo local – não irá facilitar ainda mais, as irregularidades, como os superfaturamentos? E agora, como fica a proposta de Brasília como uma das sedes da Copa de 2014?

Atualmente vive-se um colapso generalizado no executivo e no legislativo do Distrito Federal. Por vezes não se sabe exatamente quem são o governador e os componentes da Câmara Distrital, dadas as rápidas e contínuas mudanças. Muito se discute sobre uma intervenção federal no Distrito Federal. Até as comemorações dos 50 anos de Brasília foram muito comprometidas. Não é de conhecimento público se a comissão de preparação de Brasília para a Copa do Mundo de 2014 existe e se está funcionando. Não se sabe se... Enfim, muito pouco é conhecido sobre a quantas anda o compromisso assumido pelo Distrito Federal, para que a população possa participar do maior espetáculo da terra – a Copa do Mundo.

Publicado no site da Universidade de Brasília, em 17 de março de 2010.

Link: http://www.unb.br/noticias/unbagencia/artigo.php?id=244

2 comentários:

Lúcio Flavio Vale da Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lúcio Flavio Vale da Silva disse...

Caro Professor Paulo Henrique,
Seria bom enviar o artigo para publicação pelos jornais da cidade.
Parabéns pela coragem.
Um abraço amigo,
Lúcio Flávio